Archive for the ‘Terra Virtual’ Category

REGULAMENTO : Internet tem Alma?

abril 20, 2009

Você deve conhecer alguém que nunca usou internet, mas fala dela como se fosse íntimo. Caso contrário, você conhece alguém que nunca usou internet.

Participe da 1ª WebArte Colaborativa do Globalaio, produzindo uma gravação de voz ou texto, questionando ao entrevistado acima descrito :


Internet tem Alma?

e / ou

O que é Internet?

1 – QUANTO AO TEXTO:

Envie o texto nas seguintes especificações :

A – A(s) resposta(s) não pode(m) ultrapassar 1 página A4(21×29,7) e deve(m) estar formatada(s) com tipologia arial 12, entrelinha 1.

B – Envie o texto no corpo do seu email, ou em anexo ao email nos formatos: .doc ou pdf.

2 – QUANTO A GRAVAÇÃO:

Envie o arquivo nas seguintes especificações :

A – Será aceito apenas (1) um arquivo de som de até 600 k por pessoa. (independente se contém uma ou duas respostas).

B – Somente arquivos em MP3.

3 – As inscrições estarão abertas até o dia: 30 de Agosto de 2009.

4 – Selecionaremos para participar da composição da WebArte : ‘Internet tem Alma?’, até 10 propostas ou um máximo de 20 respostas. As mais espirituosas!

 

5 – Arquivos que ignorem as intruções deste regulamento não poderão participar.

6 – Envie o arquivo de Som ou Texto para o email >> colabore@globalaio.com

7 – O presente concurso está aberto à colaboração de qualquer pessoa de qualquer nacionalidade que compreenda e trabalhe de acordo com a regulamentação presente.

8 – As entrevistas devem ser produzidas em Português.

9 – Se quiser ser incluido na ficha técnica do multimídia, envie seu nome, cidade e endereço de email postados com o arquivo de som anexado para o email acima citado. Caso quiser permanecer anônimo, não há problema, a opção é sua.

10 – O Globalaio tem o desejo de editar um livro sobre a presente iniciativa no caso das colaborações serem satisfatórias e havendo condições para tanto. Funcionaria como uma espécie de antologia, assegurando aos participantes um significativo desconto na aquisição de um determinado número de exemplares. Portanto, somente envie material quem desejar participar da presente iniciativa como colaborador da mesma. Sendo resguardado à idealizadora do projeto, o direito autoral do mesmo.

Será a 1ª. WebArte do site com a colaboração externa. Você manda a ‘fala’ e nós trabalharemos baseados no material colhido. A produção final será exposta em data a ser anunciada neste blog, no canal do site Globalaio: Terra Virtual.

A WebArte Colaborativa é uma iniciativa do site Globalaio, realização AndreaHa San. Participe e Acompanhe o desenvolvimento desta proposta no canal, Terra Virtual: http://www.globalaio.com/terra_virtual.html

 

Anúncios

Internet tem Rosto?

agosto 10, 2008

2o vídeo da Trilogia: Internet tem Alma.

‘Internet tem Rosto’ utiliza citações de Shopenhauer que pontuam abordagem: fragmentária, repetitiva e retroativa, remetendo a nossa filosofia contemporânea de mundo – baseada na prática e desenvolvimento massivo das especializações.

Projeção unilateralizada e desintegradora da expressão humana, que não contempla uma política à altura da dinâmica amplitude de nossa constituição diversa, colocando um ponto final na eterna novela de guerra e paz entre o espírito e a matéria.

O 3o. vídeo da trilogia já foi produzido, mas não foi ainda montado.

Anúncio da WebArte Coletiva do Globalaio

junho 24, 2008

Chamada para WebArte Colaborativa

Este é o anúncio que será veiculado a partir de Julho divulgando a 1a WebArte coletiva do site.

Por favor divulguem!

Em Produção: Internet tem Rosto?

junho 12, 2008

Ontem filmamos o 2o roteiro da nossa Trilogia Internet tem Alma: Internet tem Rosto?

Agora, mais provavelmente na semana que vem, começo a edição do vídeo. Estou em meio a outro projeto, mas gostaria de registrar um relato sobre esta produção, antes de sua edição e observar como evolui o processo.

Existe a grande possibilidade de que enxertemos algumas citações de Shopenhauer, gravadas para aplicação no canal. A decisão será tomada apenas no momento da edição, quando me inspiro totalmente para o intento, como quem seleciona bem algumas peças para montar um brinquedo que deve funcionar, posteriormente, como tal : um catalizador ou centro das próprias atenções.

Deste ‘brinquedo’, sabe-se de antemão, extrai-se-á aprendizado.

Enquando gravávamos, alguns sons invasores insistiam em fazer parte da gravação e como a produção situa-se no limiar entre a ficção e a realidade, a minha disposição é convergente às invasões de ‘acasos’ que por ventura se apresentem.

Estávamos, Poena e eu produzindo a gravação das falas quando um toc toc toc, oriundo do teto, invadiu o ambiente justo quando ela registrava a parte do texto de Shopenhauer que menciona a contradição existencial entre homens educados para serem ‘especialistas’ funcionais ao Mercado, e o homem que consciente de sua humanidade, tira partido da vida e desenvolve-se através de valores inerentes a sua alma, construindo o próprio caminho, postando-se em paralelo aos modelos sociais ou ideais de mesma ordem. Dizia então:

“É possível comparar o especialísta com um homem que mora em sua casa própria, mas nunca sai dela. Na casa ele conhece tudo com exatidão, cada degrau, cada canto e cada viga, mas fora desse lugar tudo lhe é estranho e desconhecido.(…)”

“Espíritos de primeira categoria nunca se tornarão especialistas. Para eles a totalidade da existência é que se impõe como problema, e é sobre ela que cada um deles comunicará à humanidade novas soluções, de uma forma ou de outra. Pois só pode merecer o nome de gênio alguém que assume como o tema de suas realizações a totalidade, aquilo que é grandioso, as coisas essenciais e gerais, e não alguém que dedica os esforços de sua vida a esclarecer qualquer relação específica de objetos entre si.”

Aquela invasão foi amplamante significativa para mim. Confio na sincronia dos acontecimentos e particularmente me entusiasma fazer disso parte da minha edição.

Perspectivas – Da Fuga à Inspiração

junho 10, 2008

Seria particularmente difícil produzir um filme nos moldes da estruturação formal como reza a tradição narrativa. Conheço suficientemente bem roteiro, estilos e planos de filmagem, o formato(narrativa e todo o procedimento, do argumento à pós-produção) não me inspira. O meu universo é definitivamente outro, e nele implica a exploração de novas linguagens por impregnância direta de procedimentos pessoais (subjetivos) quanto a estruturação narrativa. Estes procedimentos têm como objetivo o autoconhecimento.

Na construção de meus webvídeos(ou webartes), planos e roteiros são as bestas de um espetáculo dedicado à exploração das possibilidades e recursos inerentes a internet. Bestas por que findo por subvertê-los, ainda que sem abrir mão por completo de sua concepção original (não busco a apropriação exterminatória, mas certo paralelismo).

O meu desejo de expressão nunca foi afinado com a tradição social, o que provocou diversos curtos-circuitos existenciais enquanto ignorante das qualidades inerentes ao meu ser. A minha expressão remete a coalisão entre o instinto, a razão e fundamentalmente o mistério.

A natureza de minhas produções em webvídeo estão bem definidas na natureza do site globalaio. Acrescentaria apenas que não considero a realidade lugar comum (como proposto em sociedade), considero a realidade campo de realização da inspiração subjetiva. Através do diálogo entre possibilidades externas e internas, procuro compreender e melhor revelar a dicotomia da perspectiva existencial.

Por fim trabalho de maneira a injetar certa dose de humor como fator terapêutico à ‘expressão de mundo que nos circunda’. Acredito que conheço um pouco de muitas coisas, do aspecto técnico ao aspecto filosófico, psicológico e alguma coisa do antropológico e espiritual. Em todos estes aspectos desejo me aprimorar e também por isso desenvolvo este Blog.

 

A Trilogia em VideoArte: ‘Internet tem Alma’, será postada aqui na Terra Virtual e na Categoria exclusiva para a Trilogia , aí à direita: Internet tem Alma – Trilogia em VideoArte

1o. – Internet tem Alma?

2o. – Internet tem Rosto?

3o. – A definir…

+ Thoreau. Informação = Poluição da Alma

maio 27, 2008

Outra coisa excepcional que Thoreau dizia era que deveríamos ficar longe das informações por que estas poluem a Alma.

Eis aí um argumento precioso para o Homem moderno meditar a respeito.

É devido a cultura exarcerbada em se acumular informações exteriores, alheias, que deixamos de olhar para dentro de nós mesmos. Sem perceber produzimos verdadeiras aberrações da natureza humana, uma vez que não aproveitamos a oportunidade que a vida nos dá para que possamos nos conhecer, investindo vidas inteiras numa eterna novela de costumes e hábitos, sem a menor reverberação interior.

Não parece absurdo o culto diário às fofocas de revistas e jornais, como se não tivéssemos vida própria?

Eis aí explícito o elo perdido.

Desobediência Civil

maio 26, 2008

Há cerca de 3 ou 4 anos li o livro: ‘Desobediência Civil’ de Henry David Thoreau, numa dessas edições pocket da L&PM. Pequeno, selvagem e de uma lucidez pouco comum ao homem intelectual e que se julga, moderno. Me devolveu o entusiasmo pela contundência pedagógica incomum no exercício de simplicidade e pureza da natureza humana.

A mensagem chave: É vital exercer a nossa ‘individualidade, compartilhando uns com os outros’, independente de qualquer surto de renovada coletividade que dê continuidade ao atrelamento de seres humanos, como se gado fossemos. Pra isso tem servido a política e seus instrumentos, salve raríssimas exceções. A coletividade somente tem sentido quando há compartilhamento real de energias/ conhecimento. Coletividade sem autoconhecimento é continuísmo político.

O livro também influenciou Gandhi como expõe o micro-multimídia: ‘Desobediência Civil’ que produzi : http://www.globalaio.com/desobediencia_civil.html, se não me engano em 2006, mesmo ano da Monica Fake. Particularmente foi um ano difícil e confuso, nada em comum com os 3 anos anteriores de grandes empreitadas, amor e viagens maravilhosas. Mas toda crise tem seu legado. Se por um lado a expressão refletiu certo descontentamento, em 2007 voltei a respirar e hoje melhor compreendo o percurso. A página virou.

Thoreau já havia me impressionado com ‘Walden’ há séculos atrás. Não me lembro dos detalhes, mas a sua contundente substância me aliviou o espírito ao constatar que homens como aquele existiam (no caso, e infelizmente, existiram..). O livro narra a sua experiência morando na floresta, quando tirou da natureza seu alimento para o corpo e o espírito, anotando de maneira bem rigorosa sua rotina, especialmente quanto ao consumo. Viveu uma vida digna de um verdadeiro ser humano: Tão livre quanto um homem adulto pode ser. Assim permanceu 2 anos e provou que é possível viver completamente fora do sistema político.

Thoreau foi enormemente influenciado por Rosseau e exerceu forte influência sobre os conceitos de resistência pacífica, desenvolvido por Gandhi e o movimento hippie.

A biblioteca Camões on-line tem o arquivo do texto em pdf, eu recomendo de coração, acho que é uma aula para qualquer pessoa ou idade. Segue o link desobediencia_civil.zip

Considerações Iniciais sobre a Terra Virtual

março 4, 2008

Gostaria de considerar aqui o caráter dos primeiros ensaios em webarte do canal Terra Virtual: Monica Fake, Desobediência Civil e O Robô Vê MandaLuz. Não se trata de defesa de tese, por que isso já foi feito no espaço de cada um e o melhor inclusive seria não fazê-lo, como mais adiante espero me conscientizar. Afinal, destrinchar certas expressões é o mesmo que retirar a possibilidade de descoberta do outro. Mas o fiz por uma outra possibilidade pedagógica. Estamos num ambiente tão aberto e amplo que talvez seja mais conveniente o tal do destrichamento para que os primeiros degraus possam ser alcançados com algum suporte, o que pode nos permitir um caminho inicial em comum.

‘Monica Fake’ e ‘Desobediência Civil’ são produtos de uma visão agonizante do mundo. Dialogam com o terror em distorções audiovisuais. Acredito que tenham certa função construtiva no diálogo com o espírito cômico presente em ambas as abordagens. ‘Monica Fake’ possui traços de humor negro, a Desobediência possui a força marcante e hilária do texto de Thoreau acompanhado por uma trilha que construí como chicotadas, além de outros ruídos que insinuam terror e contribuem à mise-en-scène que acompanha a leitura.

Este é um caminho que cada vez me diz menos respeito, apesar de promover certa catarse, por outro lado exauri também ‘energia da boa’.

Quem eu escolhi potencializar e vem crescendo é a comédia e o impulso que sempre esteve presente e de muitas formas me define. Eis o impulso em tirar partido do acaso, da brincadeira, das abordagens tateadoras dos mistérios e infindáveis possibilidades. De certa maneira o limbo e o ‘x’ da criação, pois quando destituída de referência ou orientação a criação pode parecer assustadora como o seu primordial mistério. Mas é importante que seja reconhecida como princípio revelador, prática de estimulo aos sentidos para além de si próprio. Além condições e preconceitos.

Já ‘o Robô Vê MandaLuz’ e ‘Internet tem Alma?’ (webarte de julho ou agosto) possuem características que dialogam com o inesperado do processo, uma óbvia abertura para as possibilidades de ascenção do ‘casual’ como aspecto que pretendo valorizar neste processo público de autoconhecimento.

‘Internet tem Alma?’ é o ensaio que vai ao ar no meio do ano e será produzido em parceria com quem quiser participar da proposta, exposta em breve por aqui e em outros motores de divulgação.

link direto para a Terra Virtual:

http://www.globalaio.com/terra_virtual.html