Posts Tagged ‘transformação’

É

março 18, 2012

Hoje. Uma vontade de dar um pé na bunda desse mundo medonho, de algum jeito que não seja radical. Como parece impossível, sejamos enfim racionais. Não vou mais me adaptar. Uma certeza libertária! Mas a M continua e o problema é a perspectiva do volume.. O telefone toca, a voz carinhosa de um amigo das antigas, viajante e artistão, foi o suficiente pra transformar o meu astral.

Do que que eu estava falando mesmo?!?…

Dizem que Shopenhauer era pessimísta, mas pouco se fala sobre a competição intelectual e mau declarada, quase silenciosa, entre ele e sua mãe. Não à toa ele era duro e, em geral, vacilava quando o tema de seus escritos era a mulher.

Octagenário, sozinho e perto de morrer, sua obra maior, O Mundo como Vontade e como Representação, finalmente caiu nas graças dos intelectuais literatas e ganhou uma edição digna e elogiadíssima. O fato transformou seu fim de vida radicalmente. De amargo ele tornou-se pleno – sempre soube do valor daquela obra e vivera o suficiente para vê-la nascer para o mundo.

Rumino… A cultura do conhecimento não chega aos pés da sabedoria oriental (das tradições milenares). Enquanto a primeira tem seu lado ‘masturbatório’ – necessita se apoiar na imagem de um outro que a satisfaça – a segunda não precisa de nada. Simplesmente é.

Anúncios

Intimidada

março 4, 2012

Está insuportável este Plutão na minha décima casa. Já não tenho mais pelinhas nos dedos só desrelevos, crateras e pitadas de sangue.

A esperança no mundo anda por um fio. Adaptar a natureza a cultura nunca foi um ideal. Da vida se aprende que ideais não passam de mortes anunciadas. Melhor não habituar-se.

Adaptar a natureza a cultura é uma estratégia que reconheço, lutei muito para não seguir. E hoje alimento para sobreviver, embora ainda assim resguardo-me com reservas. Desejo outro caminho, e sonho com ramificações criativas.

A adaptação é propriedade dos fortes, mesmo antes de Darwin, havia o consenso dos naturalistas. E eu me sinto cada vez mais fraca e inútil perante a massa desumana que alimenta o consumísmo e destrói a Terra. A subverção cultural é o caminho, o qual apontam antropólogos, sociólogos, historiadores, artistas contemporâneos e até psicanalistas. Eu sinceramente não sei. Precisaríamos de muitos de nós para criar esta estrada e fazer frente a ausência de consciência majoritária. Seria preciso transformar o sistema por inteiro. E quando chego a este ponto da reflexão, mais interessantes parecem as ramificações criativas.

Tudo pode piorar quando plutão se opuser a minha lua. Pois ele está lá no alto na 10ª casa e ela é nativa de suas próprias origens, lá embaixo na 4ª casa. Um céu que tende a cair do alto de suas razões profundamente devastadoras sobre uma terra tão primitiva e obscuramente feminina, enlaçados por uma atração fatal. Cedo ou tarde tudo finda. Mas quando é com sua Mãe não há razão que lhe preserve o espírito da dor.

Espero estar enganada e não saber coisa alguma sobre estrelas e homens. Espero o desapego da lua próxima à lilith, presa a sombra, refém da própria intimidade.

A Meditação da Criança Interior

outubro 9, 2008

Elaborei uma série de exercicios e atividades plásticas no período em que ministrava as Oficinas de Arte Em Busca da Criança Interior.

A Meditação da Criança Interior é pura conexão com nosso íntimo, nosso Eu Interior.

Procure um lugar tranquilo, posicione-se sentado como um yogui (com as pernas entrelaçadas) ou deitado de barriga pra cima. Tanto faz : se ficar deitado, que seja reto e relaxado, se ficar sentado, que a posição lhe seja confortável.

Faça o possível para prestar atenção apenas na sua respiração sem desviar o pensamento, mas não se estresse quando o mesmo divagar.

Respire profundamente : Inspire profundamente, retenha o ar nos pulmões até quando puder, expire profundamente e retenha os pulmões vazios até quando puder. Faça este poderoso exercício de respiração pelo menos 10 vezes (ao inspirar, reter, expirar, reter conta 1 vez). Se puder vá além, o limite é 20 vezes.

Ao terminar, continue com a respiração profunda mas agora sem retenções, para encontrar por si o ritmo ideal de relaxamento de seu corpo. 

Oriente seu Pensamento para um evento muito feliz de sua infância, ou se veja brincando com seu brinquedo ou atividade preferida desta época. Mais do que ver, o importante é que você volte a sentir a sensação de prazer e profunda alegria que a sua atividade preferida lhe proporcionava.

Ao acessar este sentimento, desenvolva-o, brinque, se delicie!

A maior parte das pessoas consegue com facilidade alcançar este sentimento de alegria pura e divina que se encontra dentro de cada um de nós. Mas, no caso da pessoa não conseguir acessar o sentimento, não tem problema. Ela deve relaxar e visualizar com riqueza de detalhes, um desejo muito querido ainda não realizado.

Mantenha a respiração profunda – no seu ritmo – e o corpo totalmente relaxado.

obs1: Não se deve colocar impecilho algum para a visualização do desejo, por mais distante que o mesmo pareça estar.

obs2: Quem acessar sua atividade preferidade da infância pode fazer também a visualização do desejo em seguida.

Esta meditação tem o poder de nos aquecer o coração trazendo conforto e alegria. Associada à visualização pormenorizada de um desejo querido, evocado com frequência, pode transformar vidas.

O importante nesta ‘dobradinha’ meditativa é o sentimento de profundo amor através da – consciente – vivência integral do Ser.

Bom proveito!